23 setembro 2016

Você foi a pior estrela cadente que eu conheci

Imagem: Paloma Gomes
Lembra quando você disse que queria me deixar uma marca? Pois bem, você conseguiu. De vez em quando ainda memoro todo o sentimento você me fez nutrir, mesmo que isso tenha sido algo tão breve em minha vida. Eu deveria ter percebido que aquele misto de entusiasmo e afeto não duraria muito tempo desde aquelas poucas palavras que trocamos quando conversamos pela primeira vez, uma conversa que você provavelmente não lembra porque eu ainda era invisível pra você. Queria não ter vivido aquele último momento que você pareceu realmente se importar, isso facilitaria muito as coisas pro meu lado.

Nunca passou pela sua cabeça que eu havia planejado minuciosamente aquele dia, né? É, talvez fosse mesmo pouco presumível que eu queria estar com você quando chegássemos à linha tênue que dividia os tons azulados do céu com o mar. Que naquele momento eu iria querer que sua mão se entrelaçasse de novo à minha, e na sua companhia queria sentir aquela areia pálida acalorar os pés. Que eu queria que você me presenteasse com algumas pequenas conchas, que mesmo quebradas tinham uma beleza indescritível nos seus detalhes, pra elas deixarem de enfeitar aquela praia, que já era tão bonita, e viessem alindar meus pensamentos com aquele momento, que nunca veio a existir. Não sei se perdi ou se apenas não lembro de ter visto, mas também queria ver o sol se pôr e afoguentar o céu daquele dia, que não parecia exibir uma só nuvem acima de nós. 

Tudo isso talvez se realizasse, se a vida obedecesse todos os meus planejamentos. E se você nunca tivesse terminado aquilo no mesmo estalo de dedos que havia começado. 

Mas até que foi um favor você nunca mais ter olhado dentro dos meus olhos daquele dia em diante. Deve ser chato ver os cacos de um coração que você mesmo quebrou na íris de alguém. Infelizmente não tem como desdenhar a nossa desalegre despedida. Até que parecia cena de filme, com aquela chuva escorrendo por mim enquanto eu fazia de tudo pra não olhar pra você ali parado com as mãos no bolso, parecendo pouco se importar com tudo aquilo. Nem deu pra me despedir dos seus olhos de pôr-do-sol, e assim você se tornou minha estrela cadente. A pior que eu já tive a chance de ter.

4 comentários:

  1. Você e seus textos cheios de significados!
    Amei e me lembrou até coisas que vivi!
    Beijinhos... Au Revoir!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, eu e meus textos cheios de significados... Ô, fico muito feliz em saber que você gostou, e espero que as coisas que você tenha lembrado sejam boas!

      Excluir
  2. Oi Camila!
    Você escreve super bem, gostei muito do seu texto, triste mas muito bem escrito!

    Beijos

    Blog: Senhorita Marmelada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Carol!
      Pois é, dizem que decepções geram bons textos, né? Nem tudo se perde!

      Excluir